Projectos de instalações marítimas

PROJECTOS MARÍTIMOS EMBLEMÁTICOS

Melhoramento dos ancoradouros 1-4, 13 e 14 do Cais Maydon para a ‘Transnet’, na província do Kwazulu Natal, na África do Sul (2014-2018)

Uma iniciativa do tipo joint venture, consistindo da Stefanutti Stocks Coastal e da sua parceira de desenvolvimento, a Axsys Projects, fez uso de algumas inovações técnicas na reconstrução e trabalhos de aprofundamento para maior calado de seis (6) ancoradouros que formam o maior recinto de carga fraccionada, de óleos comestíveis e manuseamento de carga sólida a granel, do Porto de Durban.

O âmbito dos trabalhos previa uma nova combinação do sistema de paredões do tipo HZM-AZ com estacas-âncoras (anchor piles), uma nova estrutura de cobertura ou protecção (cope), a instalação de estacas-prancha de aço (sheet-piles) subaquáticas, terraplanagens, re-pavimentação, dragagem e protecção de câmaras de corrente de varrer (scour).

Técnicas que nunca foram anteriormente utilizadas na África do Sul foram então aplicadas na instalação de anchor piles, assim como na construção in situ de páineis submergidos do tipo fender (n.t.:páineis de defesa) fazendo parte da referida estrutura cope.

Este projecto de construção marítima foi galardoado com o Prémio SAICE-SAFCEC de 2016 para a categoria de Caminhos de Ferro e Portos.

Em Março de 2017 este mesmo projecto alcançou a marca de 2 milhões de Horas-Homem Livres de Tempo Perdido e de Acidentes Pessoais.

  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Berth 208
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Berth 208

A construção de um novo cais para produtos químicos líquidos (Berth 208) da Transnet, no Kwazulu Natal (2010)

A Stefanutti Stocks Coastal construíu o novo Cais para Químicos Líquidos (Berth 208) para a empresa Transnet Capital Projects (TCP). Este projecto da construção de infra-estruturas marítimas previa o posicionamento de 72 vigas em betão pré-fabricado, a terem que cobrir muros de suporte (pile caps). Tais vigas, pesando entre 65 e 75 toneladas, foram posicionadas a partir de uma barcaça e toda essa actividade obrigou a um cuidadoso planeamento para que se optimizassem as condições de segurança dos trabalhos. Essas vigas de betão não podiam ser colocadas no devido lugar se a velocidade dos ventos excedêsse quarenta quilómetros/hora (40km/h), se as ondas do mar superassem meio metro (0,5m), e/ou se as marés excedêssem limites especificados.

Projecto ‘Kwale Mineral Sands’ para a ‘Base Titanium Limited’, no Quénia (2013)

O projecto Kwale Mineral Sands foi-nos adjudicado com base num design alternativo que permitia a redução do preço do contrato, do volume de betão armado e das quantidades de estacas de aço necessários à obra.

A Stefanutti Stocks Coastal propôs uma solução alternativa que previa a utilização de cabeçotes pré-fabricados de aço estrutural (nove [9] no seu total), ao invés de plataformas de betão armado. Tais cabeçotes foram também utilizados como guias (guides) de estacas, onde a instalação de estacas inclinadas do tipo raker (nt: inclinadas a um certo ângulo para resistir a forças horizontais) e de cabeçotes de aço estrutural foi levada a cabo em simultâneo. A aplicação desta metodologia traduziu-se numa economia de custos e de tempo.

Os trabalhos de infra-estruturas marítimas consistiram de um cavalete de transportadora de roletes (acesso), uma plataforma em betão coberta de descarga com carris de guindastes para um shiploader (n.t.: mecanismo de carregamento para o porão de um navio), duas (2) estruturas ou golfinhos de amarração (mooring dolphins) e duas (2) estruturas ou golfinhos de atracação (berthing dolphins). Os elementos de aço estrutural foram fabricados na África do Sul e enviados para Mombaça. O total de estacas cifrou-se em sessenta (60) estacas em tubos de aço, entre as quais estacas de compressão e de tensão até 45 metros de comprimento; estacas verticais, e estacas do tipo raker (n.t.:inclinadas) na proporção de 1:4.

Enquanto a Stefanutti Stocks se ocupava com o projecto de infra-estrutura marítima Kwale Mineral Sands o cliente Base Titanium Ltd. nomeou esta mesma empresa empreiteira para proceder com a montagem de um shiploader. Este projecto previa por sua vez: um processo de pré-montagem; uma montagem-simulada (dummy), em Durban; carregamentos para transporte e descarregamentos em Mombaça, e a montagem final do shiploader da Kwale Mineral Sands, em Mombaça, no Quénia. Essa montagem foi levada a cabo a partir de três (3) barcaças em três frentes de trabalho. O maior levantamento das várias cargas foi da ordem das noventa (90) toneladas, com operações sincronizadas de gruas gémeas (tandem lifting) a partir de uma barcaça flutuante. Uma vez desvinculados do contrato os guindastes ou gruas e as barcaças procedeu-se então à montagem final de peças mecânicas mais pequenas enquanto e deu-se início à instalação da alimentação eléctrica e a da instrumentação. Todo este processo de instalação in situ demorou quatro (4) meses até à sua finalização, antes do funcionamento a frio (ensaios) poderem ter início nos princípios de Novembro de 2013.

  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Birdseye New Fuel Import Facility
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Hosetower
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Piling
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Plant
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Prefabricated Superstructure
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Birdseye New Fuel Import Facility
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Hosetower
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Piling
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Plant
  • Stefanutti Stocks Coastal Marine Kissy Jetty Prefabricated Superstructure

Novas instalações para a ‘Oryx Energies’, para o manuseamento de óleo em rama na ponte-cais de Kissy, em Peninsula, Freetown, na Serra Leoa (2013-2015),

Este projecto previa o design e a construção de novas instalações para a importação de combustíveis a servir de apoio à importação segura de combustíveis na Serra Leoa. As instalações da nova ponte-cais substituíram as instalações anteriores cujo ciclo de vida tinha sido já ultrapassado e não eram adequadas ao cumprimento de normas internacionais. À Stefanutti Stocks e a uma sua empresa-parceira em regime de joint-venture foi atribuído o projecto numa base contratante de EPC (Engenharia, Aquisições e Construção) e do Livro de Prata da FIDIC (Federação Internacional de Engenheiros Consultores), em 2013.

O âmbito completo dos trabalhos incluíu o seu dimensionamento, seguido dos respectivos trabalhos de construção, que consistiram:

  • Numa sub-estrutura de estacas de aço com golfinhos (dolphins) de amarração e atracação;
  • Numa super-estrutura pré-fabricada para ambas as linhas de produtos líquidos;
  • Num sistema de combate a incêndios, e
  • No ensaio final e entrada operacional do sistema.

 

O design do sistema foi optimizado através do uso de estruturas de aço pré-fabricadas manufacturadas nos Países Baixos; o que evitou haver atrasos mercê haver falta de fornecimentos locais e assegurou haver um prosseguimento rápido no programa de construção. Este projecto, que teve início nos princípios de 2014, acabou adiado durante oito (8) meses depois da eclosão da epidemia Ébola. Uma vez recuada a incidência desta o pessoal inerente ao projecto foi de novo mobilizado, e assim o projecto foi completado com sucesso em 2015.

  • Bel Air Img
  • Bel Air Img

Trabalhos de Engenharia Civil na Pedreira e Porto para a Mina de Bel Air, na Guiné (Conakry), (2017-2018)

Com este projecto de desenvolvimento de infra-estruturas do sector mineiro levado a cabo pela Stefanutti Stocks Coastal na Guiné-Conakry, previa-se a construção de um quebra-mar (paredão) rochoso de 1.400 metros de comprimento com um cais de betão pré-fabricado com 100 metros de comprimento, para barcaças. No âmbito deste mesmo projecto previa-se o aproveitamento de terrenos não-urbanizados (greenfield) e a operação de uma pedreira de armadura de rocha ou de enrocamento (rock armour) – para perfuração e detonações – com cerca de 500.000m3 de rochas para enchimentos. Também foi aberto um estaleiro para betão pré-fabricado in situ para o fabrico de componentes do paredão do cais e o fornecimento de concreto para a viga cope.

Em Abril de 2018 este projecto alcançou o registo de 750.000 Homens-Hora Livres de Acidentes Pessoais.

 

Reabilitação das infra-estruturas marítimas de Port Nolloth para a Transnet, na província do Cabo Setentrional, 2016-2017

Eis o âmbito dos trabalhos de renovação das infra-estruturas marítimas em Port Nolloth, a cargo da Stefanutti Stocks Coastal:

  • Remoção das molhelhas de pneus (tyre fenders);
  • Instalação de novas molhelhas com pneus;
  • Renovação dos cabeços de amarração (bollards);
  • Reabilitação em betão das partes laterais e da parte inferior da estrutura do cais, e
  • Construção do revestimento rochoso.

O acesso aos trabalhos levados a cabo no leito aquático, na superfície inferior da estrutura do cais, teve lugar com a utilização de uma plataforma temporária construída abaixo do nível das marés-baixas.

O revestimento rochoso de setenta (70) metros de comprimento foi completado no espaço de cinco (5) meses ao serem descarregadas e colocadas rochas no local devido com a utilização de apêndices (thumbs) especialmente montados em escavadoras, soldados à lança telescópica da escavadora in situ.

Trabalhos marítimos para a PROXA, para a central de dessalinização de Strandfontein, na província do Cabo Ocidental, na África do Sul (2018)

Numa iniciativa do tipo joint-venture com a TAG Diving, a Stefanutti Stocks Coastal ficou encarregada dos trabalhos marítimos relativos à construção de uma central de dessalinização em Strandfontein. A maior parte dos trabalhos originalmente planeados foi completada no espaço de nove (9) semanas, o que  abrangeu tudo quanto dissesse respeito a aquisições, manufacturação, instalação, entrega para o início de operações das referidas instalações, materiais para a linha de ingestão de água do mar, linha de salmoura, e estação de bombagem.

Pela via de um envolvimento antecipado a Stefanutti Stocks Coastal e a empresa de design de engenharia, a PROXA’s design engineer – PRDW projectaram a configuração da conduta (pipeline) em termos de engenharia de valor para chegar a um equilíbrio de excelência entre os requisitos do design (sobre o peso total e estabilidade da conduta no leito do mar) e a viabilidade da manufacturação e instalação da mesma conduta. Como resultante foram instaladas condutas duplas (pipelines) de 600 metros de comprimento com tubagem de 500 mm OD HDPE – instaladas lado a lado no estaleiro de pipe-stringing (conexão de tubagens).

A conduta foi lançada em dois strings de 300 metros de comprimento, o primeiro incluíu a ‘linha de água salgada’ com 144 metros de comprimento. O lançamento e reboque foi feito através de um rebocador (com um cabo de reboque de 500 metros amarrado à conduta [pipeline]) e seis (6) escavadoras sincronizadas conduzindo a conduta para o mar.